Comunidade Evangélica Luterana "Cristo"

Endereço: Rua Lincoln Byrro, 1520, Bairro São Paulo - Gov. Valadares, MG - Cep.: 35030-280;
Tel.:(33) 3021-6056;
E-mail: celcgv@gmail.com - Pastor Jadir Carlos Mundt
CULTOS AOS DOMINGOS ÀS 9H

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Conselho Distrital


Aconteceu nos dias 22 e 23 de Setembro, nas dependências da Comunidade Evangélica Luterana Cristo, de Governador Valadares, MG, o Conselho Distrital do DIMI (Distrito Mineiro), contando com a participação dos pastores e representantes da Bom Pastor, BH; Cordeiro de Deus, BH; Paz, Ipatinga e Teófilo Otoni. Além da participação do pastor e provedor do Seminário Concórdia, Reverendo Benjamim Jandt.
As atividades iniciaram às 8h do Sábado com café da manhã, dando sequencia com assuntos referentes a cada comunidade e discussão das Moções. Na parte da tarde, retornamos com o Estudo realizado pelo pastor e provedor do Seminário Concórdia Benjamim Jandt.No Domingo pela manhã tivemos um belo culto com participação de todos os pastores presentes: Reginaldo Veloso Jacob – Ipatinga; Édson Oliveiro – BH; Konrad Nascimento e Manoel Silva, Téofilo Otoni; Pr Benjamim Jandt, que trouxe uma bela mensagem baseada em Eclesiastes 11.1 – “Lança seu pão sobre as águas”. Uma participação muito especial também abrilhantou nossa manhã de culto e louvor a Deus, foram os meninos das aulas de Música: Emilly, Luiza, Lucas, Daniel e Cecília. Logo após o culto foi servido um almoço.








.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Colocar em Ordem - Toque de Vida


Colocar em ordem


No nosso mundo, algumas coisas andam meio invertidas.
Novelas que começavam com os desencontros até chegarem ao final feliz, agora começam com os relacionamentos já estruturados e passam para os desencontros e problemas. Programas de qualidade duvidosa passam em ‘horário nobre’, enquanto programas bons passam em horários quase inatingíveis. Ricos estudam em universidades federais gratuitas e os de menos poder aquisitivo pagam sua faculdade, ou até nem mesmo estudam. Dentre outros exemplos.
No campo da fé também acontece. E duas das coisas que têm sido bastante invertidas, estão a fé e amor. Em muitos casos, a fé assumiu a característica do amor. E vice-versa.
Por exemplo: a fé é utilizada em muitos contextos para indicar ação, uma certa maneira de esforço pessoal, de sacrifício e de tentativa manipulação da auto-estima. Em outras palavras, você deve usar sua fé para atingir seus objetivos. Já o amor, que vem de um verbo de ação, amar, é transformado em um sentimento estático, em algum lugar da mente ou do coração. Às vezes se sente, às vezes não. Por isso que, para muitos, “o amor acaba”, como novelas e filmes tentam provar.
Entretanto, a fé não é ação. É algo que ganhamos e no qual não há contribuição nenhuma de nossa parte, não há esforço nem mérito. Crer, sim, é ação nossa. Mas ter fé é algo que não depende de nós, é presente de Deus. Quanto a amar, é um verbo, e por isso, é ação. Aí sim, com o auxílio de Deus, agimos. Por isso, se alguém acha que o “sentimento amor” acabou, tem aí um excelente motivo para amar, entrar em ação! Para se doar, para ir além, para fazer a fé, que é presente, entrar em ação através do amor.
A fé em Cristo, um presente que salva, entra em ação pelo amor. A fé nos salva, o amor nos move. Uma fé que nos liga a Deus e um amor que nos liga a Ele e ao próximo.
Fé e amor que colocam coisas invertidas em seu devido lugar.

Frase:
A fé nos salva, o amor nos move.
Rev. Lucas André Albrecht

sábado, 22 de setembro de 2012

Além das Tradições


Além das tradições

A Guerra dos Farrapos deveria evocar outros valores além das tradições gaúchas. Ela ceifou a vida de 50 mil pessoas e semeou aflição e tristeza. A maioria nem sabe que boa parte da sociedade rio-grandense ficou ao lado do Império, entre eles os imigrantes alemães, os comerciantes portugueses, a classe média urbana, parte dos charqueadores e a própria cidade de Porto Alegre. É de se perguntar: se a revolução fosse hoje, com quem nós, gaúchos, ficaríamos? Com o revolucionário Bento Gonçalves ou com o governador imperialista Fernandes Braga? É fácil hoje estufar o peito e cantar que “não basta pra ser livre ser forte, aguerrido e bravo”. Mas, e na hora do “vamos ver”? As armas hoje, felizmente, são as ordens democráticas no meio de outras guerras que continuam tirando a vida de tanta gente e que obrigam em decisões corajosas. A maior delas é contra a corrupção ética, política e moral.

No início do cristianismo muitos também sofreram por seguirem uma posição. Milhares de cristãos perderam a vida pelo simples fato de professar a fé em Jesus Cristo. Tornaram-se mártires. “Mártir” vem de uma palavra grega que literalmente significa testemunhar. Devido o testemunho cristão sempre resultar em perseguição e morte pelo império romano, o termo assumiu este significado – morrer por uma causa. Em alguns países hoje muitos ainda morrem por serem cristãos, o que graças a Deus não é o nosso caso. Mas isto não livra os cristãos das dificuldades, da cruz, do martírio. Por isto, igual às evocações farroupilhas quando se estufa o peito e cantam-se hinos que falam de lutas e vitórias por Cristo, há igual disposição pelo sacrifício pessoal? “Peço que vocês se ofereçam completamente a Deus em sacrifício vivo, dedicado ao seu serviço e agradável a ele” (Rm 12.1), convida o apóstolo. Evidentemente que isto requer as armas que Deus oferece (Efésios 6.13) num empenho que vai além de versos e tradições.

Marcos Schmidt
pastor luterano
fone 8162-1824
Igreja Evangélica Luterana do Brasil
Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS
20 de setembro de 2012

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Purificação em Cristo

Purificação em Cristo
GoVal – 02/09/12
Textos Bíblicos: Salmo 119.129-136; Deuteronômios 4.1-2,6-9; Efésios 6.10-20; Marcos 7.14-23
Régis Duarte Müller


Purificador. Esta é uma palavra que está sendo muito usada nos dias atuais. Em geral, a maioria das pessoas possuem em suas casas os purificadores de água, um produto que nos permite ingerir uma água mais pura, sem bactérias e outras impurezas. Além do purificador de água, também está se tornando comum um aparelho chamado purificador de ar. Em nossos dias o ar encontra-se cada vez mais poluído em decorrência dos gases tóxicos que são liberados de veículos e empresas, sem falar nas queimadas. E por isso, o purificador de ar é uma boa alternativa para quem quer fugir de problemas respiratórios e alergias.
O fato é que tanto a água impura, como o ar poluído que respiramos, prejudicam nossa vida e saúde. Por isso, nos preocupamos em amenizar os problemas com purificadores.
Tem muitas pessoas que são ainda mais preocupadas, e por isso, também cuidam rigorosamente da alimentação e de tudo o que é ingerido. Com o objetivo de ter uma saúde mais saudável, muitas pessoas se abstêm de certos alimentos. Deixam de comer carnes, não ingerem bebidas que contêm álcool, cuidam para não se alimentar com alimentos gordurosos ou preparados com gordura.
Sem dúvida todos esses cuidados são interessantes, e as pessoas que assim vivem podem desfrutar dos benefícios.
Quando abrimos o texto bíblico, encontramos muitas instruções e ensinos que tratam dos alimentos. Como os textos que lemos este final de semana.
Acontece, que quando Jesus trata a respeito dos costumes alimentares da época com os discípulos e outras pessoas, ele faz duras críticas ao pensamento e atitude daquelas pessoas. Isso porque estavam demasiadamente presos aos costumes e esqueciam-se do mais importante: O Ensino da Palavra de Deus.
Vamos tentar compreender um pouco melhor: O Ensino de Jesus neste trecho do Evangelho de Marcos (Mc 7.21-23) trata da impureza, que é na verdade uma continuação do que nos versículos 1-13 (A tradição dos Anciãos), de modo que produziram preceitos que justificavam a transgressão de mandamentos divinos claros, desprezando a Palavra de Deus.
Nos versículos desta semana (14-23), Jesus nos mostra que não é o que entra numa pessoa, ou seja, não é o que vem de fora que a torna impura, mas o que sai do coração.
Muito possivelmente por estarem acostumados com a tradição de seu tempo, os discípulos não compreenderam as palavras do Mestre. Por isso Jesus repete a eles em particular, mostrando que todos os alimentos podem ser ingeridos, de modo que, as coisas que vêm de fora e entram pela boca vão ao estomago, e depois saem do corpo, por isso não são impuras. No entanto, o que sai do coração, isso sim é impureza. Pois é de dentro que vêm “Os maus pensamentos, a imoralidade sexual, os roubos, os crimes de morte, os adultérios, a avareza, as maldades, as mentiras, as imoralidades, a inveja, a calúnia, o orgulho e o falar e agir sem pensar nas consequências. Tudo isso vem de dentro e faz com que as pessoas fiquem impuras”.
Quando Jesus tratou da questão das tradições dos anciãos ou a respeito das impurezas, ele não direcionava sua fala a uma pessoa ou grupo, mas a todos. Como revela o versículo 14 “Jesus chamou outra vez a multidão e disse” (tòn ‘óxlon – τον όχλος – a multidão). O Mestre falou a todas as pessoas, porque todos tem o costume de cuidar das coisas exteriores. Cuidamos dos alimentos e bebidas que ingerimos, procurando purificar tudo. Até mesmo o ar que respiramos nós tentamos melhor com aparelhos eletrônicos. Contudo, ao mesmo tempo em que nos preocupamos com nossa saúde física, somos negligentes com a saúde espiritual. Como diz Adolf Pohl:
“enquanto nós revolucionamos, reformamos e disciplinamos furio­samente, nosso coração continua longe de Deus e do nosso próximo. O fato de passarmos tão ao largo do problema, apesar de ele se manifestar de modo tão imediato e irrefutável, pode ser um sintoma da nossa negação irada e do desespero secreto. Praticamente tudo podemos mudar, só não o coração erra­do e incapaz de achegar-se a Deus. Não há quantidade de água que ajude, o muito lavar de mãos não fará o coração servir a Deus. Mas o fato de Jesus abordar este tema de modo tão franco é um sinal da sua autoridade transfor­madora: Ora, todos estes males vêm de dentro e contaminam o homem” (Comentário Esperança – Evangelho de Marcos, p.195).
Ora irmãos, não adianta nada nós realizarmos grandes mudanças se o coração continua impuro e afastado de Deus. É importante purificar o que está em nosso coração, e para isso existe apenas um purificador. É Jesus Cristo que purifica nosso coração contaminado, e somente ele tem essa autoridade.
Sem dúvida nós continuaremos usando cada vez mais purificadores, e nós poderemos desfrutar de seus benefícios para nossa saúde. Mas também é fundamental buscarmos o purificador da alma. Esse é o melhor purificador que existe, não dá falhas nem estraga. Esse purificador, hoje, nos é oferecido gratuitamente, pois o preço já foi pago na cruz. Sim, Jesus é o nosso purificador da alma e todo aquele que busca-lo terá seus pecados perdoados, e o coração lindo. Como já dizia o salmista Davi:O que tu queres é um coração sincero; enche o meu coração com a tua sabedoria. Tira de mim o meu pecado, e ficarei limpo; lava-me, e ficarei mais branco do que a neve (Sl 71.6-7).
Deus não se agrada de fiéis de fachada, que exteriormente são bonitos e ‘perfeitos’, mas por dentro são ‘sepulcros caiados’ {túmulos pintados de branco – NTLH} – (Mt 23.27). Tudo que Deus quer é que em nosso coração a sua Palavra esteja viva e atuante.
Deste modo, compreendendo o que Deus realmente espera de nós, possamos viver uma vida mais agradável a seus olhos, reconhecendo que nossa capacidade não é suficiente, ao contrário, nós somos maus de natureza (Mt 12.34), e tudo que praticamos é corrupção. Infelizmente não temos como mudar essa realidade, e assim somos incapazes de nos aproximar de Deus. Mas, uma vez unidos a Cristo, somos movidos a viver uma vida decente de acordo com seus mandamentos. Ele, e somente ele pode e é capaz de modificar e transformar nosso coração. Por isso, Jesus Cristo é o nosso purificador. Que limpa nosso coração sujo e nos purifica de toda injustiça. Como diz o apóstolo João: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça” (Jo 1.9). Amém.


sábado, 1 de setembro de 2012

Deus Existe - 13° Dom Pentecostes


Deus Existe?
GoVal – 26/08/12
Textos Bíblicos: Salmo 14; Isaías 29.11-19; Efésios 5.22-33; Marcos 7.1-13
Régis Duarte Müller

Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem-se e praticam abominação; já não há quem faça o bem” (Sl 14.1).  
É comum vermos pessoas duvidando da existência de Deus, outros que afirmam sua inexistência, ou ainda, aqueles que acham que existe um Deus, mas não se preocupam em respeitá-lo, amá-lo e glorifica-lo.
Um dos assuntos, talvez mais abordados no mundo, está relacionado a Deus. Por isso, diante da questão: Deus existe ou Deus não existe, podemos encontrar uma série de estudos e teses.
O exemplo disso encontra-se em uma simples pesquisa no Google. Pesquisando o tema: Deus existe? O Google nos remete em apenas 0,20 segundos a 8.100.000 resultados, enquanto que, a pesquisa: Deus não existe? Remete-nos a nada menos que 15.100.000 resultados. Ou seja, quase o dobro de resultados.
Pelo pressuposto de que todos nós acreditamos na existência de Deus, pergunto: Porque existem tantas dúvidas sobre a existência de Deus?
Os textos bíblicos deste final de semana nos chamam atenção para a corrupção do pecador e sua redenção. De modo geral, esse é o tema de todos os textos que a pouco lemos.
Em decorrência de fatos históricos, não é de se estranhar o grande número de pessoas que não creem em Deus, até porque, o natural do ser humano é viver afastado de Deus por causa do pecado.
Para testificar esta afirmação basta abrirmos o próprio texto bíblico:
1. “O Senhor disse: Visto que este povo se aproxima de mim e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim, e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, que maquinalmente aprendeu” (Is 29.13) – Com esse exemplo notamos que as pessoas dizem crer em Deus, mas o coração encontra-se distante de Deus.   
2. E o próprio Jesus, mais tarde vai repetir: “Bem profetizou Isaías a respeito de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens. Negligenciando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens” (Mc 7.6-8).
3. “Diz o insensato no seu coração: Não há Deus” (Sl 14.1).

Tanto aqueles que se dizem crentes, mas não passam de hipócritas, quanto os que afirmam não existir um Deus – estão afastados de Deus e não conhecem a Deus.
Mas ainda que existam estudos muito bem elaborados, ainda que pessoas façam esforços enormes para provar que Deus não existe, todas as coisas nos levam para a existência de Deus.
A natureza prova a existência de Deus, e Romanos 1.19-20 nos ajuda a compreender isso: “porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis”. Portanto, as coisas que foram criadas testificam a existência de Deus, ainda que “ninguém jamais tenha visto a Deus” (Jo 1.18).
O fato crítico para aqueles que não acreditam na existência de Deus, ou aqueles que são “crentes de boca”, é o resultado de sua atitude: pois são considerados por Deus como indesculpáveis.
O próprio Salmo nos mostra a situação que o povo encontra-se: “Todos se extraviaram e juntamente se corromperam; não há quem faça o bem, não há nem um sequer” (Sl 14.3).
Nós também somos pessoas extraviadas e corrompidas, que não praticamos o bem. Além disso, talvez também sejamos frequentemente abatidos pelo sentimento de dúvida, assim como Tomé, que duvidou da ressurreição de Jesus (Jo 20.27). Mas o grande fato é este: é tolice supor que Deus não existe, que tudo no mundo tenha surgido por si mesmo, enfim. Quem assim acredita é insensato e indesculpável perante Deus.
Por mais que muitos se prendam a questionar racionalmente a existência de tudo, não podemos negar que tudo nos leva a comprovar que Deus sempre existiu, desde antes da criação do mundo.
É verdade também, que algumas pessoas deixam de acreditar em Deus por causa de alguma coisa dita por alguém em nome de Deus. Muitas são as pessoas que realmente não conhecem a Deus, e por isso, estão afastadas. Muitos não conseguem entender a existência de Deus por quaisquer meios existentes, como a natureza e a consciência. Mas Deus já ‘sabia’ disto, e por isso, a fim de que o ser humano soubesse que Ele é o Deus verdadeiro e soubesse como adorá-lo devidamente, revelou-se mais completamente na Bíblia. Portanto, enquanto a natureza nos diz que há um Deus, a Bíblia nos diz quem é este Deus.
Querido amigo, o mundo, o diabo e tantas outras coisas querem nos desacreditar de Deus. Muitas vezes até mesmo Igrejas nos levam a questionar Deus, diante de seus ensinos falsos. Mas o grande conforto e consolo estão presentes unicamente no Deus que sempre existiu (Ex 3.14; Is 44.6).
Ora, irmãos, assim como a Palavra de Deus encontra dificuldades para ser anunciada e expandida, assim também, os seus fiéis encontram dificuldades para viver de modo digno e coerente com os ensinos bíblicos. Isso porque Os maus fazem com que fracassem as esperanças dos necessitados, mas estes são protegidos pelo Senhor” (Sl 14.6).
Realmente podemos encontrar dificuldades e problemas, mas devido à fé que temos em Deus, e em seu grande poder e misericórdia, podemos nos alegrar e cantar louvores aos altos dos céus, pois unidos a Deus, o nosso SENHOR, estamos protegidos.
Por isso, se em algum momento você for questionado: Deus existe? Você vai saber responder. Vai saber dizer que tudo o que está em nossa volta é criação de Deus; vai saber dizer que até mesmo nossa consciência sabe que existe um Deus. Vai saber dizer que é ele o teu protetor diário, o sustentador e principalmente: o Salvador. Graças a Deus, o Senhor, que enviou Jesus Cristo ao mundo para ser o nosso salvador.
Sim. Eu Creio. Deus existe.

Fontes: 
Sumário da Doutrina Cristã.
Comentário Esperança. Evangelho de Marcos. Adolf Pohl.
Novo Testamento Interlinear.