Comunidade Evangélica Luterana "Cristo"

Endereço: Rua Lincoln Byrro, 1520, Bairro São Paulo - Gov. Valadares, MG - Cep.: 35030-280;
Tel.:(33) 3021-6056;
E-mail: celcgv@gmail.com - Pastor Jadir Carlos Mundt
CULTOS AOS DOMINGOS ÀS 9H

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Os Massacres do Natal


Os massacres e o Natal


Sobre esta chacina numa escola dos EUA, o psicanalista gaúcho Luiz Antônio Araujo observa que “os criminosos se comprazem em apagar os próprios rastros por meio da eliminação de crianças como as que um dia foram, de parentes próximos e, por fim, de si mesmos”. O Herodes do Natal foi um psicopata com estas características. Eliminou parentes, filhos, e por fim os inocentes de Belém para manter o seu rastro de poder (Mateus 2.16-18) e assinar com sangue a história bíblica. São as infames narrativas natalinas reprisadas e com agenda certa enquanto o mundo não acabar. Mas, se pensarmos no real sentido do nascimento de Jesus, é por isto mesmo que ele veio e um dia voltará. É para dar um basta definitivo aos filhos de Caim. Bem disse o profeta: “As botas barulhentas dos soldados e todas as suas roupas sujas de sangue serão completamente destruídas pelo fogo. Pois já nasceu uma criança, Deus nos mandou um menino que será nosso rei. Ele será chamado de Conselheiro Maravilhoso, Deus Poderoso, Pai Eterno, Príncipe da Paz” (Isaías 9.5,6).
E a solução terrena para tanta violência? Será que está em atitudes políticas de restrições no uso das armas ou de leis mais severas? Regras e punição são indispensáveis, no entanto, o jeito mais eficaz está no poder da notícia angelical: “Nasceu o Salvador de vocês”. Isto muda o coração e as atitudes. Mas é preciso encontrar a criança enrolada em panos e deitada em manjedoura. Ou seja, é necessário desenrolar o coração dos trapos do pecado e crer na singeleza e simplicidade do amor divino. Ou então continuar atrás da redenção na complicada lógica humana ou na sofisticada tecnologia. Mas, e se déssemos uma chance para a promessa do Emanuel, o Deus conosco? De que Ele enxugará dos nossos olhos todas as lágrimas, e não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor? (Apocalipse 21.4). Foi ele quem disse: “Felizes são as pessoas que choram, pois Deus as consolará” ( Mateus 5.4).


Marcos Schmidt
pastor luterano
fone 8162-1824
Igreja Evangélica Luterana do Brasil
Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS
20 de dezembro de 2012

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Coral Cel Cristo GoVal

O Coral da Comunidade Evangélica Luterana Cristo fez sua primeira apresentação no culto do dia 02 de Dezembro de 2012 com a música Silêncio e regência de Ivanir França.
Parabéns a todos integrantes, que assim, possamos servir e louvar a Deus com o canto, bem como, inspirar novos integrantes ao Grupo.

Que o bom Deus continue abençoando este trabalho.
Soli Deo Glória.



Culto Bairro Cidade Nova


A Comunidade Evangélica Luterana Cristo, de Governador Valadares, celebrou no dia 09 de Dezembro, um culto de Ação de Graças no Bairro Cidade Nova.


 O culto teve como tema: Ação de Graças e Arrependendimento, tendo como base os textos Sl 66.1-12; Ml 3.1-7; Fp 1.2-11 e Lc 3.1-14 referentes ao segundo domingo de Advento. Fizeram-se presentes alguns membros da comunidade, o coral e visitantes do Bairro, estando presentes 25 pessoas.
Com toda certeza foi um momento abençoado.

"Graça e paz a vós outros, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo... E também faço esta oração: que o vosso amor aumente mais e mais em pleno conhecimento e toda percepção, para aprovardes as coisas excelentes e serdes sinceros e inculpáveis para o Dia de Cristo, cheios do fruto de justiça, o qual é mediante Jesus Cristo, para a glória e louvor de Deus" (Filipenses 1.2, 9-11).




sexta-feira, 2 de novembro de 2012

23° Domingo Após Pentecostes


Comunidade Evangélica Luterana “Cristo”
Governador Valadares – MG – 3221 3377
INFORmaisCRISTO
Ano II – 62° Edição – Modelo II - 2012
 

Textos Bíblicos: Salmo 119.1-8; Deuteronômio 6.1-9; Hebreus 9.11-14(15-22); Marcos 12.28-37
O Grande Mandamento.

As leis são normas que estão presentes na vida de todas as pessoas.
Os pais criam as leis para a família, colocam limites nos filhos e dizem o que podem e o que não podem fazer. Descumprir essas normas geram castigos.
A cidade, o estado e o país também nos colocam leis que precisamos observar. Cuidar dos patrimônios públicos, pagar os impostos, observar as leis de trânsito, votar etc. são leis que devemos cumprir, pois no contrário, podemos ser punidos com multas e até mesmo a prisão.
As leis também estão presentes nas escolas, nas empresas e nos mais variados lugares e estabelecimentos com o objetivo de oferecer organização e ordem.
Ao mesmo tempo em que descumprir as leis e ordenanças nos trazem problemas e castigos, seguir de acordo, e não descumpri-las nos permitem viver livremente, sem medos e sem acusações. Viver de acordo com as leis e normas significa poder deitar a noite e descansar tranquilamente.
Portanto, podemos notar que as leis possuem causas e efeitos. As quais são dirigidas a qualquer pessoa por cumprir ou não as leis. A lei tem como objetivo fazer com que as pessoas vivam bem, dentro dos limites aceitos pela sociedade, e sem prejuízos para o próximo.
Deste modo vemos a importância da lei em nossos dias. Mas é importante notar que as leis sempre estiveram entre nós. Até mesmo no princípio, quando criou Adão e Eva, Deus deu-lhes uma lei, que não comessem o fruto da árvore que se encontrava no meio do jardim. Eles descumpriram esta lei, e por isso, vivemos a consequência desta desobediência. Mais tarde, Deus entregou, através de Moisés, novas Leis. Estas Leis são entregues com o objetivo de levar as pessoas a viver corretamente. Entre as Leis, encontramos o grande mandamento: “Amar a Deus acima de tudo e ao próximo como a si mesmo”.
O pecado prejudica o cumprimento da lei e leva o ser humano a cometer ‘infrações’. Quem desobedece à lei está fadado a morte eterna, a condenação. Como nos lembra o Ap. Paulo: “O Salário do Pecado é a Morte".
Por isso é importante lembrarmos mais uma vez das palavras que deverão ficar no coração: “Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força” (Dt 6.5). Esse versículo resume toda a Lei de Deus que está registrada em Êxodo 20, e também, em Deuteronômio 5.
Como lembrete para o resultado da Lei de Deus, deixamos as palavras do Senhor:
Filho meu, não menosprezes a correção que vem do Senhor, nem desmaies quando por ele és reprovado; porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe” (Hb 12.5-6).
Ora, pois, a correção de Deus acontece na nossa vida sempre que descumprimos sua Lei, e seremos finalmente julgados na corte celestial. Contudo, podemos ficar tranquilos, pois Cristo já pagou nossa fiança. Todos que confiam em Cristo e praticam o grande mandamento, quer dizer, buscam amar a Deus acima de todas as coisas, e também amar o próximo como a si mesmo, estes receberão o prêmio da vida eterna.
Em nome e por amor de Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador. Amém.
Pastor – Régis Duarte Müller

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Mensagem da Diretoria Nacional: 495 Anos da Reforma


Dia 31 de outubro festejamos os 495 anos da Reforma, desde que Martinho Lutero, num ato de coragem, convicção e defesa da verdade das Sagradas Escrituras, fixou 95 teses na porta da igreja de Wittenberg, na Alemanha. Começava ali uma luta na defesa de três pilares básicos de nossa confissão e fé: Somente a Graça; Somente a Fé e Somente a Escritura.
Lutero defendia, à luz da Palavra de Deus, de que a salvação eterna é graça, é presente de Deus, que vem a nós, somente pela fé em Cristo Jesus e essa verdade, nos é colocada e determinada, somente pela Escritura, que é a clara e pura Palavra de Deus. Por essa verdade ele lutou. Nessa certeza ele viveu e se dispôs até a morrer, confessando: “Se vierem roubar os bens, vida e o lar, que tudo se vá, proveito não lhes dá. O céu é nossa herança.” (Hinário Luterano, nº 165).
Quando lembramos essa data, louvamos e agradecemos a Deus pela coragem, firmeza, determinação e fidelidade deste servo de Deus, chamado Martinho Lutero. Por outro lado, numa sociedade em transformação, num mundo de constantes mudanças, onde valores éticos, morais, princípios cristãos, são ignorados, pisoteados e deixados de lado, é preciso olhar para o exemplo de homens como Lutero, para,também, firmados na Bíblia, a Palavra de Deus, hastearmos pendões (Sl 20.5), confessarmos essa fé e não nos deixarmos envolver por ameaças, críticas e vãs filosofias desse mundo (Cl 2.8 e 1 Tm 6.20).
Deus nos proteja, defenda e dê sabedoria para permanecermos firmes na fé e nas Confissões da nossa Igreja. Nas Confissões, conforme encontramos no Livro de Concórdia de 1580, não por serem essas igual ou maior do que a Bíblia Sagrada, mas por termos absoluta convicção que elas estão fundamentadas, baseadas e firmadas na Palavra de Deus. Que assim possamos permanecer firmes e defender com convicção, não o que Lutero disse, mas o que a Bíblia diz, e pela qual Lutero batalhou e lutou até o fim.
Continuamos defendendo que somos salvos Somente pela Graça de Deus. Esse presente vem a nós, Somente Pela Fé, e temos essa certeza, porque a Bíblia e Somente Ela nos afirma e mostra isso.

Pastor Egon Kopereck
Presidente da IELB

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Limites?


Limites?


Meios de comunicação acompanharam com certo destaque a história da moça que leiloou sua virgindade via web. O lance final, de 1,5 milhão, foi dado por um japonês. Se bem que vender o corpo não seja algo novo, a forma como foi feito tende a gerar reprovação, considerando-a uma atitude vulgar, que rebaixa e degrada a sexualidade do ser humano.
Fonte: http://www.metro1.com.br/portal/?varSession=noticia&varId=20562
Se pensarmos bem, no entanto, há algum tempo atrás atitudes nesta área que eram 'escândalo', hoje já são consideradas normais. Para citar poucos exemplos: nudez e seminudez em qualquer horário, gestos obscenos em músicas que até crianças cantam, descompromisso total. Para ficar nos mais leves. Por que, então, este tipo de leilão virtual/real não pode também ser mais uma das normalidades da sexualidade? Quando começamos a ceder nos limites, qual o limite no qual conseguiremos parar?
Outro dia falávamos sobre as mensagens contraditórias. Sem moralismos, mas ao menos pensando sobre o tema: vamos permitindo, liberalizando, aceitando...até não conseguirmos mais não permitir?
Por fim, talvez fiquemos sem qualquer referência.
Coisa que, aliás, nunca faltou na Bíblia. Fale-se o que quiser dela, menos que não tenha ensinado com coerência sempre a mesma verdade. Há milênios. E também neste assunto. Valoriza o sexo de maneira que o torna adequado, saudável, dentro dos limites do casal que busca um relacionamento correto, seguro. Baseado em um principio, o amor; um verbo de ação, amar. E os diversos sentimentos que deles provém..
De outra forma, não teremos saída. Pois mensagens contraditórias só conseguem uma coisa: contradição.
Aliás, mais uma. falta de limites.

Frase:
Quando começamos a ceder nos limites, qual o limite no qual conseguiremos parar?

Rev. Lucas André Albrecht
*****************************

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Mensagem - Como Viver uma Vida Pura?


Como viver uma vida pura?
GoVal – 07/10/12
Textos Bíblicos: Salmo 119.9-16; Eclesiastes 5.10-20; Hebreus 4.1-13(14-16); Marcos 10.23-37
Régis Duarte Müller

Como pode o jovem guardar puro o seu caminho? Eis a questão!
Sim! Eis a questão! Porque o caminho é cheio de armadilhas, tentações, ilusões, enganações, ciladas... Neste caminho encontra-se o jovem; encontra-se todas as pessoas; encontram-se os cristãos.
Mas fica a questão, que armadilhas, ciladas, enfim, são estas? São as tentações da carne, o desejo, o sexo, a ganância. São as tentações do mundo que cada vez mais nos afastam da moral, da ética, da cidadania; esquecendo do mandamento de amar o próximo como a sí mesmo, e entregando-se ao individualismo, buscando os próprios interesses e passando por cima dos outros. São as tentações do inimigo, que conhece nosso ser, nossos pontos fracos, e por isso acusa, intimida e enfraquece nossa fé.
Essas constatações são realidades na vida de cada um de nós, que individualmente sofremos e enfrentamos. Mas, se prestarmos bem atenção, notamos que essa questão já foi escrita a muito tempo atrás, muitos séculos passados. Desta forma, a dificuldade no caminho do jovem, e no caminho de cada um é uma realidade e sempre existiu.
Manter o caminho puro não é uma tarefa fácil. Pois, parece que onde quer que vamos ou façamos, há pessoas e coisas querendo destruir a nossa fé em Deus e nosso amor pelo Senhor Jesus. São aquelas pessoas na escola que oferecem drogas, outros tentam seduzir para o sexo. A televisão influência negativamente com suas programações imoraes e idólatras.
Acontece que o fato de alguém nos conversar e convencer a fazer coisas erradas não tira o implacável resultado da lei contra nós. Perder o caminho da pureza no coração, ser enganado, cair em ciladas, é afastar-se de Deus e cair no mais implacável de todos os julgamentos: O julgamento e a condenação para a Morte.
É bem verdade que no fundo, bem no fundo, todos tem medo da morte. Por causa disso, acabam colocando a confiança em coisas passageiras. Alguns confiam nas posses, e depositam a vida para alcançar grandes finanças. Outros confiam em prodígios, e buscam alternativas através de revelações e advinhações. Mas tudo isso é ilusão, como diz Salomão: “Vaidade de vaidades, tudo é vaidade” (Ec 1.2b). Então, ouvimos seu próprio testemunho: “Disse comigo: vamos! Eu te provarei com a alegria; goza, pois, a felicidade; mas também isso era vaidade... Empreendi grandes obras; Edifiquei  para mim casas; plantei para mim vinhas. Fiz jardins e pomares para mim e neste plantei árvores frutíferas de toda espécie... Considerei todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também o trabalho que eu, com fadigas, havia feito; e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento, e nenhum proveito havia debaixo do sol” (Ec 2.1, 4, 5, 11).
Salomão deixa bem claro a todos que nada adianta colocarmos nossa confiança no dinheiro, que apenas traz preocupações e problemas, e quando partimos nada levamos dele. O conselho de Salomão é para aproveitarmos a vida de acordo com os bens que recebemos com o suor do trabalho e isso é dom de Deus.
Frente a tudo isso, estamos nós. Diante das tentações, das ilusões e vaidades. Então, vem a questão: Como pode o jovem guardar puro o seu caminho? Como poder conservar pura a sua vida?
A resposta vem nas palavras do Salmista: É só obedecer aos ensinamentos do Senhor. É viver de acordo com os ensinos de Deus.
Esse é o simples conselho para quem quer viver uma vida justa e regrada. Os ensinos de Deus é a pura Palavra de Deus, a qual é viva e eficaz e corta mais que qualquer espada de dois gumes, penetra a ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta a discernir os pensamentos e propósitos do coração (Hb 4).
Não é que obedecendo aos ensinamentos do Senhor vamos deixar de sofrer tentações, que não vão aparecer ciladas. Mas quem tem a Palavra de Deus, que medita nela, estuda e a busca tem uma grande certeza: A Palavra de Deus pode dar forças, coragem e esperança para enfrentarmos qualquer situação.
É a Palavra de Deus que nos ensina o mais precioso dos mandamentos: “Amarás o Senhor teu Deus de todo coração, e o próximo como a ti mesmo”. Nos mostra que não devemos confiar em coisas passageiras, como o dinheiro, pois “é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus” (Mc 10.25).
Não é pelo fato de ser rico, mas porque deposita a vida, a confiança e tudo o mais nas riquezas. É como se o dinheiro e os bens fossem o seu Deus, e nada pode estar entre nós e Deus. Pois a ele, e somente a ele, deve ser rendida toda honra, glória e louvor.
Os textos bíblicos de hoje nos concedem belos exemplos de sabedoria. Viver a vida com sabedoria é fundamental. Esta sabedoria passa em torno das respostas para as perguntas: Como permanecer puro? E, O que é riqueza? Permanecer Puro é Viver os ensinos de Deus. Além disso, Herdar o reino dos céus é a maior de todas as riquezas.
Que assim, cada um de nós possa permanecer fiel a Deus e obedecer a seus ensinos. A fim de que, quando chegar nossa hora, tenhamos a alegria de desfrutar da bem aventurança eterna. E assim, viver eternamente com Deus e todos os santos.
Em nome e por amor de Jesus Cristo. Nosso único e suficiente Senhor e Salvador. Hoje e sempre. Amém.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Avenida Brasil



Fonte: http://www.linkatual.com/avenida-brasil-resumo-da-semana.html
Os recordes de audiência da novela Avenida Brasil fizeram com que a própria presidente Dilma Rousseff alterasse a data de um comício em São Paulo nesta sexta-feira, na hora do último capítulo. Concluíram que “não haveria ninguém” para prestigiar a presidente. Eles têm razão. Conforme pesquisa, nos últimos dias sete em cada dez pessoas que assistiam TV em São Paulo estavam ligadas na novela das 21h – que representa a média nacional. Ninguém pode menosprezar os motivos para tanta audiência, sobretudo nos quesitos qualidade técnica, interpretação, roteiro das novelas da Globo. Mas é preciso refletir em algumas coisas.

Dias atrás, caminhando pela calçada, ouvi uma menina de uns três anos dizendo para a mãe: “O Max não morreu, ele vai voltar e ficar com a Carminha”. Fiquei pensando com meus botões: O quê passa na cabeça de uma criança ao assistir esta novela? Aliás, até onde as novelas moldam a vida dos brasileiros? Traição, adultério, poligamia, licenciosidade, libertinagem sexual, enfim, um mundo de coisas que até tempos atrás eram imorais para a grande maioria. E hoje? As novelas, com poucas exceções, condenam injustiças sociais, falcatruas, desonestidade, roubos – este tipo de imoralidade. Mas impiedosamente elas maltratam os conceitos tradicionais do casamento, da família, da sexualidade. E quando padres, pastores, religiosos cristãos são interpretados, tais personagens geralmente são moralistas hipócritas, falsários, e até motivo de avacalhação.

Avenida Brasil está no fim, mas o quê as crianças, jovens e adultos aprenderam sobre o matrimônio? Vale ainda a recomendação(?): “Seja fiel à sua mulher e dê o seu amor somente a ela” (Provérbios 5. 15); “Que o casamento seja respeitado por todos, e que os maridos e as esposas sejam fiéis um ao outro”(Hebreus 13.4). Se não tirarmos os pequenos da sala na hora da novela, que ao menos digamos a eles em certas cenas: Isto é feio!


Pr. Marcos Schmidt. Novo Hamburgo, RS

sábado, 6 de outubro de 2012

Deus Abençoa a Família


Deus Abençoa a Família.
GoVal – 07/10/12
Textos Bíblicos: Salmo 128; Gênesis 2.18-25; Hebreus 2.1-13, (14-18); Marcos 10.2-16
Régis Duarte Müller

Em 2002 foi publicado na França, e traduzido para o português em 2003 o livro intitulado “Família em Desordem” de Elisabeth Roudinesco, Doutora em Letras e com formação psicanalítica e literária. Em seu livro “Família em Desordem”, a autora percorre o caminho da história desde a antiguidade até a “pós-modernidade”.
A autora apresenta como a família mudou sua formação e ideologia dentro da história, percorrendo a forma paternal dominada pela força, passando pelo período “romântico”, constituído por um pai amoroso e amado, tolerante e respeitoso, uma família constituída pela compaixão. Em seguida, em uma nova transição, o pai deixa de ser autoritário e a figura da mãe começa a ter mais espaço. Contudo, as mudanças não pararam por aí. O casamento perde a natureza divina consolidando-se como um acordo formal entre homem e mulher perdurando enquanto existe amor, como diz o ditado: “Que seja eterno enquanto dure”. O pai não tem mais autoridade sobre os filhos, e caso os ‘desacate’, pode até perder a guarda dos mesmos, o pai deve respeitar o direito dos filhos.
Desta forma, Roudinesco denomina a nova estrutura como “família pós-moderna”, onde se encontra livre do patriarcado, desvinculada do casamento, onde tanto o homem quanto a mulher estão livres para escolherem suas funções... 
O IHU Online, revista eletrônica da UNISSINOS (Universidade do Vale do Rio dos Sinos), ao analisar o livro lamenta seu título e demonstra isso da seguinte forma: “Por tudo isso, é de se lamentar a escolha do termo “desordem”, também presente no título original. A palavra “desordem” sugere uma conotação negativa para as transformações pelas quais passou o modelo familiar. No entanto, o fim do patriarcado, a valorização do papel feminino, a liberdade aos homossexuais, a horizontalidade nas relações, enfim, tudo que caracteriza a “desordem” é exatamente o sintoma positivo de transformação da família” (p.3).

Ainda que o modelo familiar tenha ganhado “novas caras” – sejam elas positivas ou negativas, é preciso que presemos pela família que Deus concebe, a qual está totalmente submissa ao senhorio de Cristo, é construída por homem e mulher que deixam pai e mãe e unem-se em um matrimônio que não tem data de validade, pois é para durar até a morte (Gn 2.24). Os filhos vivem sob o olhar atento e cuidadoso do pai e da mãe, sendo educados constantemente e mostrando-lhes o caminho em que devem andar (Pv 22.6).


A estrutura familiar elogiada pela atualidade passa longe da estrutura familiar que Deus criou e constituiu. Deus criou o homem e a mulher – estes deixam os pais para formarem a família. Mas este plano de Deus se desfaz quando o homem cai em pecado (Gn 3). Juntamente com o pecado surgem as diferenças, as desavenças, as traições, os assassinatos (Ex.: Caim assassina seu irmão, Abel – Gn 4), etc. Em decorrência de tudo isso, Deus permite, na Lei apresentada por Moisés, que o homem conceda carta de divórcio à esposa – este é o resultado radical e permanente do pecado (Mt 5.31; 19.2-9).
Portanto, o assassinato, o divórcio e tantas outras coisas que acontecem dentro da família, são resultados incontestáveis de uma natureza corrompida e pecadora. E por isso passível de receberem a condenação, pois “o salário do pecado é a morte”, como afirma o Apóstolo Paulo (Romanos 6.23).

Portanto, não podemos deixar de olhar para o conceito e padrão familiar da atualidade e o conceito e padrão familiar que Deus espera que os cristãos vivam. Ainda que o pecado prejudique esta estrutura, Deus criou o homem e a mulher para viverem juntos e formarem uma família.
Os homens colocam diferenças entre o homem e a mulher, mas a Criação de Deus os trata com igualdade. Olhando para a maneira que Deus chamou o HOMEM e a MULHER, notamos que recebem pronúncias muito parecidas em sua língua original (Ish – Isha), o que pretende destacar a unidade de natureza, a íntima afinidade entre os sexos e, portanto, a igualdade essencial de direitos.

Deus criou o homem e a mulher em igualdade, por isso Eva foi criada pela costela de Adão. Mas o pecado mudou essa realidade. E todas as mudanças que ocorreram no conceito familiar tinha por objetivo geral a busca da felicidade, a liberdade e a igualdade. Mas será que isso não está presente no padrão familiar que Deus concebeu? O Salmo 128 nos apresenta uma família abençoada no trabalho, de onde vem o sustendo, e em casa, onde a família cresce com filhos e netos. Esta era considerada a bênção por excelência.
A bênção para a família continua nos planos de Deus. Por isso Deus abençoou o matrimônio e leva Jesus a afirmar que o casamento é para sempre e que o homem não pode separar – a separação era uma forma que o homem tinha para repudiar a esposa (Mc 10.9). Logo em seguida, Jesus quebra uma prática comum da época, a desvalorização da criança, chamando-as para si e abençoando-as, de forma que Jesus diz: “Deixai vir a mim os pequeninos” (Mc 10.14), e em seguida “tomando-as nos braços e impondo-lhes as mãos, as abençoava” (Mc 10.16).

Queridos irmãos, a estrutura familiar está muito mudada e muitas casas cristãs até difundem pensamentos e ideologias ‘pós-modernas’. Muitas coisas são até positivas, pois a discriminação, por exemplo, perde espaço. Mas precisamos entender que o preconceito também é condenado por Deus e não faz parte da ideia inicial de família organizada por Ele.
Contudo, essa família deixou de existir com a queda, originando a parcialidade, o preconceito, o adultério, o desrespeito na família entre marido e esposa, pais e filhos. O motivo destes problemas é o pecado unido à negligência aos ensinos de Deus.
Os dias atuais consideram o casamento uma “instituição falida”, os tempos modernos consideram a família uma instituição ultrapassada, mas para Deus continua sendo a principal formação e a mais passível de bênçãos.
O pecado continua existindo e ferindo as famílias. O único caminho e solução para trazer a união e reestruturar os laços é Cristo.
Por causa do pecado e da negligência para com a palavra de Deus, o resultado certo das pessoas é o inferno. Todos estavam sujeitos à escravidão da morte e do Diabo, mas Jesus, através de seu sangue os libertou, livrando-os da morte, socorrendo a descendência de Abraão. Portanto, para que todos fossem libertos da escravidão, Jesus se fez sumo sacerdote, oferecendo a si próprio como sacrifício fazendo-se propiciação pelos pecados do povo. Desta forma, Cristo é o auxílio certo para todos, “pois, naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que estão tentados” (v.18). Além do mais, Deus continua abençoando as famílias, Jesus continua chamando as crianças para abençoá-las.

Fonte:
A Família em Desordem. Elisabeth Roudinesco. Tradução André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.
Bíblia Sagrada. Bíblia de Estudo Almeida.
Evangelho de Marcos. Comentário Esperança. Adolf Pohl.
IHU online. Ano 3 – N° 58 – 5 de Maio de 2003.
O Stress no Casamento. Régis Müller.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

O que devo fazer além de votar obrigatoriamente?


O que devo fazer além de votar obrigatoriamente?

Estamos nos aproximando de mais uma eleição municipal. Processo muito importante em que somos chamados a participar da decisão de eleger nossos representantes. Diante deste fato histórico e decisivo, precisamos nos perguntar: O que devo fazer além de votar obrigatoriamente?
- Você precisa saber que o direito de votar em seu candidato é uma conquista histórica que seus antepassados lhe deixaram.
- Nossos candidatos não nasceram hoje, conheça suas histórias e suas lutas em defesa da sociedade.
- Uma política responsável é formada de bons candidatos e boas propostas, conheçam sem falta os dois.
- Seu voto não é moeda de troca. Não vote em quem lhe promete favores que não poderá cumprir. 
- Como cidadão você não pode abrir mão de exercer seu direito de escolha. Se você não escolher, outros escolherão por você e provavelmente suas reivindicações serão deixadas de lado.
- Não anule seu voto, anule, com o seu voto, a política irresponsável e despreocupada com as reais necessidades do povo.
- Ética e dignidade na política devem ser cobrados pelo povo sempre, não só nas eleições.
- A sua vida política não se limita aos dias da eleição. Veja se as promessas de campanha estão sendo cumpridas. Caso isso não aconteça, questione seu candidato.
- Não se limite a ser apenas um eleitor por obrigação, mas sim, um cidadão responsável por convicção.
- Ore por todos que têm autoridade, para que possamos viver uma vida calma e pacífica, com dedicação a Deus e respeito aos outros. (1 Timóteo 2.2)

Núcleo Ecumênico de Blumenau
Igreja Católica Apostólica Romana,
Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil,
Congregação Evangélica Luterana “Bom Pastor” de Blumenau – IELB
“Obedeçam às autoridades, todos vocês. Pois nenhuma autoridade existe sem a permissão de Deus, e as que existem foram colocadas nos seus lugares por ele”.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Conselho Distrital


Aconteceu nos dias 22 e 23 de Setembro, nas dependências da Comunidade Evangélica Luterana Cristo, de Governador Valadares, MG, o Conselho Distrital do DIMI (Distrito Mineiro), contando com a participação dos pastores e representantes da Bom Pastor, BH; Cordeiro de Deus, BH; Paz, Ipatinga e Teófilo Otoni. Além da participação do pastor e provedor do Seminário Concórdia, Reverendo Benjamim Jandt.
As atividades iniciaram às 8h do Sábado com café da manhã, dando sequencia com assuntos referentes a cada comunidade e discussão das Moções. Na parte da tarde, retornamos com o Estudo realizado pelo pastor e provedor do Seminário Concórdia Benjamim Jandt.No Domingo pela manhã tivemos um belo culto com participação de todos os pastores presentes: Reginaldo Veloso Jacob – Ipatinga; Édson Oliveiro – BH; Konrad Nascimento e Manoel Silva, Téofilo Otoni; Pr Benjamim Jandt, que trouxe uma bela mensagem baseada em Eclesiastes 11.1 – “Lança seu pão sobre as águas”. Uma participação muito especial também abrilhantou nossa manhã de culto e louvor a Deus, foram os meninos das aulas de Música: Emilly, Luiza, Lucas, Daniel e Cecília. Logo após o culto foi servido um almoço.








.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Colocar em Ordem - Toque de Vida


Colocar em ordem


No nosso mundo, algumas coisas andam meio invertidas.
Novelas que começavam com os desencontros até chegarem ao final feliz, agora começam com os relacionamentos já estruturados e passam para os desencontros e problemas. Programas de qualidade duvidosa passam em ‘horário nobre’, enquanto programas bons passam em horários quase inatingíveis. Ricos estudam em universidades federais gratuitas e os de menos poder aquisitivo pagam sua faculdade, ou até nem mesmo estudam. Dentre outros exemplos.
No campo da fé também acontece. E duas das coisas que têm sido bastante invertidas, estão a fé e amor. Em muitos casos, a fé assumiu a característica do amor. E vice-versa.
Por exemplo: a fé é utilizada em muitos contextos para indicar ação, uma certa maneira de esforço pessoal, de sacrifício e de tentativa manipulação da auto-estima. Em outras palavras, você deve usar sua fé para atingir seus objetivos. Já o amor, que vem de um verbo de ação, amar, é transformado em um sentimento estático, em algum lugar da mente ou do coração. Às vezes se sente, às vezes não. Por isso que, para muitos, “o amor acaba”, como novelas e filmes tentam provar.
Entretanto, a fé não é ação. É algo que ganhamos e no qual não há contribuição nenhuma de nossa parte, não há esforço nem mérito. Crer, sim, é ação nossa. Mas ter fé é algo que não depende de nós, é presente de Deus. Quanto a amar, é um verbo, e por isso, é ação. Aí sim, com o auxílio de Deus, agimos. Por isso, se alguém acha que o “sentimento amor” acabou, tem aí um excelente motivo para amar, entrar em ação! Para se doar, para ir além, para fazer a fé, que é presente, entrar em ação através do amor.
A fé em Cristo, um presente que salva, entra em ação pelo amor. A fé nos salva, o amor nos move. Uma fé que nos liga a Deus e um amor que nos liga a Ele e ao próximo.
Fé e amor que colocam coisas invertidas em seu devido lugar.

Frase:
A fé nos salva, o amor nos move.
Rev. Lucas André Albrecht

sábado, 22 de setembro de 2012

Além das Tradições


Além das tradições

A Guerra dos Farrapos deveria evocar outros valores além das tradições gaúchas. Ela ceifou a vida de 50 mil pessoas e semeou aflição e tristeza. A maioria nem sabe que boa parte da sociedade rio-grandense ficou ao lado do Império, entre eles os imigrantes alemães, os comerciantes portugueses, a classe média urbana, parte dos charqueadores e a própria cidade de Porto Alegre. É de se perguntar: se a revolução fosse hoje, com quem nós, gaúchos, ficaríamos? Com o revolucionário Bento Gonçalves ou com o governador imperialista Fernandes Braga? É fácil hoje estufar o peito e cantar que “não basta pra ser livre ser forte, aguerrido e bravo”. Mas, e na hora do “vamos ver”? As armas hoje, felizmente, são as ordens democráticas no meio de outras guerras que continuam tirando a vida de tanta gente e que obrigam em decisões corajosas. A maior delas é contra a corrupção ética, política e moral.

No início do cristianismo muitos também sofreram por seguirem uma posição. Milhares de cristãos perderam a vida pelo simples fato de professar a fé em Jesus Cristo. Tornaram-se mártires. “Mártir” vem de uma palavra grega que literalmente significa testemunhar. Devido o testemunho cristão sempre resultar em perseguição e morte pelo império romano, o termo assumiu este significado – morrer por uma causa. Em alguns países hoje muitos ainda morrem por serem cristãos, o que graças a Deus não é o nosso caso. Mas isto não livra os cristãos das dificuldades, da cruz, do martírio. Por isto, igual às evocações farroupilhas quando se estufa o peito e cantam-se hinos que falam de lutas e vitórias por Cristo, há igual disposição pelo sacrifício pessoal? “Peço que vocês se ofereçam completamente a Deus em sacrifício vivo, dedicado ao seu serviço e agradável a ele” (Rm 12.1), convida o apóstolo. Evidentemente que isto requer as armas que Deus oferece (Efésios 6.13) num empenho que vai além de versos e tradições.

Marcos Schmidt
pastor luterano
fone 8162-1824
Igreja Evangélica Luterana do Brasil
Comunidade São Paulo, Novo Hamburgo, RS
20 de setembro de 2012

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Purificação em Cristo

Purificação em Cristo
GoVal – 02/09/12
Textos Bíblicos: Salmo 119.129-136; Deuteronômios 4.1-2,6-9; Efésios 6.10-20; Marcos 7.14-23
Régis Duarte Müller


Purificador. Esta é uma palavra que está sendo muito usada nos dias atuais. Em geral, a maioria das pessoas possuem em suas casas os purificadores de água, um produto que nos permite ingerir uma água mais pura, sem bactérias e outras impurezas. Além do purificador de água, também está se tornando comum um aparelho chamado purificador de ar. Em nossos dias o ar encontra-se cada vez mais poluído em decorrência dos gases tóxicos que são liberados de veículos e empresas, sem falar nas queimadas. E por isso, o purificador de ar é uma boa alternativa para quem quer fugir de problemas respiratórios e alergias.
O fato é que tanto a água impura, como o ar poluído que respiramos, prejudicam nossa vida e saúde. Por isso, nos preocupamos em amenizar os problemas com purificadores.
Tem muitas pessoas que são ainda mais preocupadas, e por isso, também cuidam rigorosamente da alimentação e de tudo o que é ingerido. Com o objetivo de ter uma saúde mais saudável, muitas pessoas se abstêm de certos alimentos. Deixam de comer carnes, não ingerem bebidas que contêm álcool, cuidam para não se alimentar com alimentos gordurosos ou preparados com gordura.
Sem dúvida todos esses cuidados são interessantes, e as pessoas que assim vivem podem desfrutar dos benefícios.
Quando abrimos o texto bíblico, encontramos muitas instruções e ensinos que tratam dos alimentos. Como os textos que lemos este final de semana.
Acontece, que quando Jesus trata a respeito dos costumes alimentares da época com os discípulos e outras pessoas, ele faz duras críticas ao pensamento e atitude daquelas pessoas. Isso porque estavam demasiadamente presos aos costumes e esqueciam-se do mais importante: O Ensino da Palavra de Deus.
Vamos tentar compreender um pouco melhor: O Ensino de Jesus neste trecho do Evangelho de Marcos (Mc 7.21-23) trata da impureza, que é na verdade uma continuação do que nos versículos 1-13 (A tradição dos Anciãos), de modo que produziram preceitos que justificavam a transgressão de mandamentos divinos claros, desprezando a Palavra de Deus.
Nos versículos desta semana (14-23), Jesus nos mostra que não é o que entra numa pessoa, ou seja, não é o que vem de fora que a torna impura, mas o que sai do coração.
Muito possivelmente por estarem acostumados com a tradição de seu tempo, os discípulos não compreenderam as palavras do Mestre. Por isso Jesus repete a eles em particular, mostrando que todos os alimentos podem ser ingeridos, de modo que, as coisas que vêm de fora e entram pela boca vão ao estomago, e depois saem do corpo, por isso não são impuras. No entanto, o que sai do coração, isso sim é impureza. Pois é de dentro que vêm “Os maus pensamentos, a imoralidade sexual, os roubos, os crimes de morte, os adultérios, a avareza, as maldades, as mentiras, as imoralidades, a inveja, a calúnia, o orgulho e o falar e agir sem pensar nas consequências. Tudo isso vem de dentro e faz com que as pessoas fiquem impuras”.
Quando Jesus tratou da questão das tradições dos anciãos ou a respeito das impurezas, ele não direcionava sua fala a uma pessoa ou grupo, mas a todos. Como revela o versículo 14 “Jesus chamou outra vez a multidão e disse” (tòn ‘óxlon – τον όχλος – a multidão). O Mestre falou a todas as pessoas, porque todos tem o costume de cuidar das coisas exteriores. Cuidamos dos alimentos e bebidas que ingerimos, procurando purificar tudo. Até mesmo o ar que respiramos nós tentamos melhor com aparelhos eletrônicos. Contudo, ao mesmo tempo em que nos preocupamos com nossa saúde física, somos negligentes com a saúde espiritual. Como diz Adolf Pohl:
“enquanto nós revolucionamos, reformamos e disciplinamos furio­samente, nosso coração continua longe de Deus e do nosso próximo. O fato de passarmos tão ao largo do problema, apesar de ele se manifestar de modo tão imediato e irrefutável, pode ser um sintoma da nossa negação irada e do desespero secreto. Praticamente tudo podemos mudar, só não o coração erra­do e incapaz de achegar-se a Deus. Não há quantidade de água que ajude, o muito lavar de mãos não fará o coração servir a Deus. Mas o fato de Jesus abordar este tema de modo tão franco é um sinal da sua autoridade transfor­madora: Ora, todos estes males vêm de dentro e contaminam o homem” (Comentário Esperança – Evangelho de Marcos, p.195).
Ora irmãos, não adianta nada nós realizarmos grandes mudanças se o coração continua impuro e afastado de Deus. É importante purificar o que está em nosso coração, e para isso existe apenas um purificador. É Jesus Cristo que purifica nosso coração contaminado, e somente ele tem essa autoridade.
Sem dúvida nós continuaremos usando cada vez mais purificadores, e nós poderemos desfrutar de seus benefícios para nossa saúde. Mas também é fundamental buscarmos o purificador da alma. Esse é o melhor purificador que existe, não dá falhas nem estraga. Esse purificador, hoje, nos é oferecido gratuitamente, pois o preço já foi pago na cruz. Sim, Jesus é o nosso purificador da alma e todo aquele que busca-lo terá seus pecados perdoados, e o coração lindo. Como já dizia o salmista Davi:O que tu queres é um coração sincero; enche o meu coração com a tua sabedoria. Tira de mim o meu pecado, e ficarei limpo; lava-me, e ficarei mais branco do que a neve (Sl 71.6-7).
Deus não se agrada de fiéis de fachada, que exteriormente são bonitos e ‘perfeitos’, mas por dentro são ‘sepulcros caiados’ {túmulos pintados de branco – NTLH} – (Mt 23.27). Tudo que Deus quer é que em nosso coração a sua Palavra esteja viva e atuante.
Deste modo, compreendendo o que Deus realmente espera de nós, possamos viver uma vida mais agradável a seus olhos, reconhecendo que nossa capacidade não é suficiente, ao contrário, nós somos maus de natureza (Mt 12.34), e tudo que praticamos é corrupção. Infelizmente não temos como mudar essa realidade, e assim somos incapazes de nos aproximar de Deus. Mas, uma vez unidos a Cristo, somos movidos a viver uma vida decente de acordo com seus mandamentos. Ele, e somente ele pode e é capaz de modificar e transformar nosso coração. Por isso, Jesus Cristo é o nosso purificador. Que limpa nosso coração sujo e nos purifica de toda injustiça. Como diz o apóstolo João: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça” (Jo 1.9). Amém.


sábado, 1 de setembro de 2012

Deus Existe - 13° Dom Pentecostes


Deus Existe?
GoVal – 26/08/12
Textos Bíblicos: Salmo 14; Isaías 29.11-19; Efésios 5.22-33; Marcos 7.1-13
Régis Duarte Müller

Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem-se e praticam abominação; já não há quem faça o bem” (Sl 14.1).  
É comum vermos pessoas duvidando da existência de Deus, outros que afirmam sua inexistência, ou ainda, aqueles que acham que existe um Deus, mas não se preocupam em respeitá-lo, amá-lo e glorifica-lo.
Um dos assuntos, talvez mais abordados no mundo, está relacionado a Deus. Por isso, diante da questão: Deus existe ou Deus não existe, podemos encontrar uma série de estudos e teses.
O exemplo disso encontra-se em uma simples pesquisa no Google. Pesquisando o tema: Deus existe? O Google nos remete em apenas 0,20 segundos a 8.100.000 resultados, enquanto que, a pesquisa: Deus não existe? Remete-nos a nada menos que 15.100.000 resultados. Ou seja, quase o dobro de resultados.
Pelo pressuposto de que todos nós acreditamos na existência de Deus, pergunto: Porque existem tantas dúvidas sobre a existência de Deus?
Os textos bíblicos deste final de semana nos chamam atenção para a corrupção do pecador e sua redenção. De modo geral, esse é o tema de todos os textos que a pouco lemos.
Em decorrência de fatos históricos, não é de se estranhar o grande número de pessoas que não creem em Deus, até porque, o natural do ser humano é viver afastado de Deus por causa do pecado.
Para testificar esta afirmação basta abrirmos o próprio texto bíblico:
1. “O Senhor disse: Visto que este povo se aproxima de mim e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim, e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, que maquinalmente aprendeu” (Is 29.13) – Com esse exemplo notamos que as pessoas dizem crer em Deus, mas o coração encontra-se distante de Deus.   
2. E o próprio Jesus, mais tarde vai repetir: “Bem profetizou Isaías a respeito de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens. Negligenciando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens” (Mc 7.6-8).
3. “Diz o insensato no seu coração: Não há Deus” (Sl 14.1).

Tanto aqueles que se dizem crentes, mas não passam de hipócritas, quanto os que afirmam não existir um Deus – estão afastados de Deus e não conhecem a Deus.
Mas ainda que existam estudos muito bem elaborados, ainda que pessoas façam esforços enormes para provar que Deus não existe, todas as coisas nos levam para a existência de Deus.
A natureza prova a existência de Deus, e Romanos 1.19-20 nos ajuda a compreender isso: “porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis”. Portanto, as coisas que foram criadas testificam a existência de Deus, ainda que “ninguém jamais tenha visto a Deus” (Jo 1.18).
O fato crítico para aqueles que não acreditam na existência de Deus, ou aqueles que são “crentes de boca”, é o resultado de sua atitude: pois são considerados por Deus como indesculpáveis.
O próprio Salmo nos mostra a situação que o povo encontra-se: “Todos se extraviaram e juntamente se corromperam; não há quem faça o bem, não há nem um sequer” (Sl 14.3).
Nós também somos pessoas extraviadas e corrompidas, que não praticamos o bem. Além disso, talvez também sejamos frequentemente abatidos pelo sentimento de dúvida, assim como Tomé, que duvidou da ressurreição de Jesus (Jo 20.27). Mas o grande fato é este: é tolice supor que Deus não existe, que tudo no mundo tenha surgido por si mesmo, enfim. Quem assim acredita é insensato e indesculpável perante Deus.
Por mais que muitos se prendam a questionar racionalmente a existência de tudo, não podemos negar que tudo nos leva a comprovar que Deus sempre existiu, desde antes da criação do mundo.
É verdade também, que algumas pessoas deixam de acreditar em Deus por causa de alguma coisa dita por alguém em nome de Deus. Muitas são as pessoas que realmente não conhecem a Deus, e por isso, estão afastadas. Muitos não conseguem entender a existência de Deus por quaisquer meios existentes, como a natureza e a consciência. Mas Deus já ‘sabia’ disto, e por isso, a fim de que o ser humano soubesse que Ele é o Deus verdadeiro e soubesse como adorá-lo devidamente, revelou-se mais completamente na Bíblia. Portanto, enquanto a natureza nos diz que há um Deus, a Bíblia nos diz quem é este Deus.
Querido amigo, o mundo, o diabo e tantas outras coisas querem nos desacreditar de Deus. Muitas vezes até mesmo Igrejas nos levam a questionar Deus, diante de seus ensinos falsos. Mas o grande conforto e consolo estão presentes unicamente no Deus que sempre existiu (Ex 3.14; Is 44.6).
Ora, irmãos, assim como a Palavra de Deus encontra dificuldades para ser anunciada e expandida, assim também, os seus fiéis encontram dificuldades para viver de modo digno e coerente com os ensinos bíblicos. Isso porque Os maus fazem com que fracassem as esperanças dos necessitados, mas estes são protegidos pelo Senhor” (Sl 14.6).
Realmente podemos encontrar dificuldades e problemas, mas devido à fé que temos em Deus, e em seu grande poder e misericórdia, podemos nos alegrar e cantar louvores aos altos dos céus, pois unidos a Deus, o nosso SENHOR, estamos protegidos.
Por isso, se em algum momento você for questionado: Deus existe? Você vai saber responder. Vai saber dizer que tudo o que está em nossa volta é criação de Deus; vai saber dizer que até mesmo nossa consciência sabe que existe um Deus. Vai saber dizer que é ele o teu protetor diário, o sustentador e principalmente: o Salvador. Graças a Deus, o Senhor, que enviou Jesus Cristo ao mundo para ser o nosso salvador.
Sim. Eu Creio. Deus existe.

Fontes: 
Sumário da Doutrina Cristã.
Comentário Esperança. Evangelho de Marcos. Adolf Pohl.
Novo Testamento Interlinear.