Comunidade Evangélica Luterana "Cristo"

Endereço: Rua Lincoln Byrro, 1520, Bairro São Paulo - Gov. Valadares, MG - Cep.: 35030-280;
Tel.:(33) 3021-6056;
E-mail: celcgv@gmail.com - Pastor Jadir Carlos Mundt
CULTOS AOS DOMINGOS ÀS 9H

sábado, 6 de outubro de 2012

Deus Abençoa a Família


Deus Abençoa a Família.
GoVal – 07/10/12
Textos Bíblicos: Salmo 128; Gênesis 2.18-25; Hebreus 2.1-13, (14-18); Marcos 10.2-16
Régis Duarte Müller

Em 2002 foi publicado na França, e traduzido para o português em 2003 o livro intitulado “Família em Desordem” de Elisabeth Roudinesco, Doutora em Letras e com formação psicanalítica e literária. Em seu livro “Família em Desordem”, a autora percorre o caminho da história desde a antiguidade até a “pós-modernidade”.
A autora apresenta como a família mudou sua formação e ideologia dentro da história, percorrendo a forma paternal dominada pela força, passando pelo período “romântico”, constituído por um pai amoroso e amado, tolerante e respeitoso, uma família constituída pela compaixão. Em seguida, em uma nova transição, o pai deixa de ser autoritário e a figura da mãe começa a ter mais espaço. Contudo, as mudanças não pararam por aí. O casamento perde a natureza divina consolidando-se como um acordo formal entre homem e mulher perdurando enquanto existe amor, como diz o ditado: “Que seja eterno enquanto dure”. O pai não tem mais autoridade sobre os filhos, e caso os ‘desacate’, pode até perder a guarda dos mesmos, o pai deve respeitar o direito dos filhos.
Desta forma, Roudinesco denomina a nova estrutura como “família pós-moderna”, onde se encontra livre do patriarcado, desvinculada do casamento, onde tanto o homem quanto a mulher estão livres para escolherem suas funções... 
O IHU Online, revista eletrônica da UNISSINOS (Universidade do Vale do Rio dos Sinos), ao analisar o livro lamenta seu título e demonstra isso da seguinte forma: “Por tudo isso, é de se lamentar a escolha do termo “desordem”, também presente no título original. A palavra “desordem” sugere uma conotação negativa para as transformações pelas quais passou o modelo familiar. No entanto, o fim do patriarcado, a valorização do papel feminino, a liberdade aos homossexuais, a horizontalidade nas relações, enfim, tudo que caracteriza a “desordem” é exatamente o sintoma positivo de transformação da família” (p.3).

Ainda que o modelo familiar tenha ganhado “novas caras” – sejam elas positivas ou negativas, é preciso que presemos pela família que Deus concebe, a qual está totalmente submissa ao senhorio de Cristo, é construída por homem e mulher que deixam pai e mãe e unem-se em um matrimônio que não tem data de validade, pois é para durar até a morte (Gn 2.24). Os filhos vivem sob o olhar atento e cuidadoso do pai e da mãe, sendo educados constantemente e mostrando-lhes o caminho em que devem andar (Pv 22.6).


A estrutura familiar elogiada pela atualidade passa longe da estrutura familiar que Deus criou e constituiu. Deus criou o homem e a mulher – estes deixam os pais para formarem a família. Mas este plano de Deus se desfaz quando o homem cai em pecado (Gn 3). Juntamente com o pecado surgem as diferenças, as desavenças, as traições, os assassinatos (Ex.: Caim assassina seu irmão, Abel – Gn 4), etc. Em decorrência de tudo isso, Deus permite, na Lei apresentada por Moisés, que o homem conceda carta de divórcio à esposa – este é o resultado radical e permanente do pecado (Mt 5.31; 19.2-9).
Portanto, o assassinato, o divórcio e tantas outras coisas que acontecem dentro da família, são resultados incontestáveis de uma natureza corrompida e pecadora. E por isso passível de receberem a condenação, pois “o salário do pecado é a morte”, como afirma o Apóstolo Paulo (Romanos 6.23).

Portanto, não podemos deixar de olhar para o conceito e padrão familiar da atualidade e o conceito e padrão familiar que Deus espera que os cristãos vivam. Ainda que o pecado prejudique esta estrutura, Deus criou o homem e a mulher para viverem juntos e formarem uma família.
Os homens colocam diferenças entre o homem e a mulher, mas a Criação de Deus os trata com igualdade. Olhando para a maneira que Deus chamou o HOMEM e a MULHER, notamos que recebem pronúncias muito parecidas em sua língua original (Ish – Isha), o que pretende destacar a unidade de natureza, a íntima afinidade entre os sexos e, portanto, a igualdade essencial de direitos.

Deus criou o homem e a mulher em igualdade, por isso Eva foi criada pela costela de Adão. Mas o pecado mudou essa realidade. E todas as mudanças que ocorreram no conceito familiar tinha por objetivo geral a busca da felicidade, a liberdade e a igualdade. Mas será que isso não está presente no padrão familiar que Deus concebeu? O Salmo 128 nos apresenta uma família abençoada no trabalho, de onde vem o sustendo, e em casa, onde a família cresce com filhos e netos. Esta era considerada a bênção por excelência.
A bênção para a família continua nos planos de Deus. Por isso Deus abençoou o matrimônio e leva Jesus a afirmar que o casamento é para sempre e que o homem não pode separar – a separação era uma forma que o homem tinha para repudiar a esposa (Mc 10.9). Logo em seguida, Jesus quebra uma prática comum da época, a desvalorização da criança, chamando-as para si e abençoando-as, de forma que Jesus diz: “Deixai vir a mim os pequeninos” (Mc 10.14), e em seguida “tomando-as nos braços e impondo-lhes as mãos, as abençoava” (Mc 10.16).

Queridos irmãos, a estrutura familiar está muito mudada e muitas casas cristãs até difundem pensamentos e ideologias ‘pós-modernas’. Muitas coisas são até positivas, pois a discriminação, por exemplo, perde espaço. Mas precisamos entender que o preconceito também é condenado por Deus e não faz parte da ideia inicial de família organizada por Ele.
Contudo, essa família deixou de existir com a queda, originando a parcialidade, o preconceito, o adultério, o desrespeito na família entre marido e esposa, pais e filhos. O motivo destes problemas é o pecado unido à negligência aos ensinos de Deus.
Os dias atuais consideram o casamento uma “instituição falida”, os tempos modernos consideram a família uma instituição ultrapassada, mas para Deus continua sendo a principal formação e a mais passível de bênçãos.
O pecado continua existindo e ferindo as famílias. O único caminho e solução para trazer a união e reestruturar os laços é Cristo.
Por causa do pecado e da negligência para com a palavra de Deus, o resultado certo das pessoas é o inferno. Todos estavam sujeitos à escravidão da morte e do Diabo, mas Jesus, através de seu sangue os libertou, livrando-os da morte, socorrendo a descendência de Abraão. Portanto, para que todos fossem libertos da escravidão, Jesus se fez sumo sacerdote, oferecendo a si próprio como sacrifício fazendo-se propiciação pelos pecados do povo. Desta forma, Cristo é o auxílio certo para todos, “pois, naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que estão tentados” (v.18). Além do mais, Deus continua abençoando as famílias, Jesus continua chamando as crianças para abençoá-las.

Fonte:
A Família em Desordem. Elisabeth Roudinesco. Tradução André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.
Bíblia Sagrada. Bíblia de Estudo Almeida.
Evangelho de Marcos. Comentário Esperança. Adolf Pohl.
IHU online. Ano 3 – N° 58 – 5 de Maio de 2003.
O Stress no Casamento. Régis Müller.

Nenhum comentário: