Comunidade Evangélica Luterana "Cristo"

Endereço: Rua Lincoln Byrro, 1520, Bairro São Paulo - Gov. Valadares, MG - Cep.: 35030-280;
Tel.:(33) 3021-6056;
E-mail: celcgv@gmail.com - Pastor Jadir Carlos Mundt
CULTOS AOS DOMINGOS ÀS 9H

sábado, 29 de junho de 2013

Segue-me!

 Tema: Segue-me!
GoVal/Conselheiro Pena 30/06/2013
Régis Duarte Müller
6° Dom Ap Pentecostes – 30/06 a 07/07/2013

Textos Bíblicos: Salmo 16; 1 Reis 19.9b-21; Gálatas 5.1,13-25; Lucas 9.51-62

Você aceitou Jesus? Quem aceitou Jesus? São muitos os que dizem ter aceitado a Jesus, mas quando o assunto é segui-lo, são poucos os seus seguidores! Na bíblia encontramos vários personagens que ‘aceitaram’ a Jesus, mas na hora de colocar em prática não agiram assim (os 10 leprosos, apenas um voltou; o jovem rico não quis deixar suas coisas para seguir a Jesus; Alguns precisam despedir-se ou sepultar um familiar; o próprio Elias, profeta de Deus estava tentando desviar seu caminho por temer a morte), é fácil aceitar Jesus, difícil e vive-lo!
Quando lemos o texto do Evangelho para hoje nos deparamos com duas situações: 1° Os samaritanos não receberam Jesus e seus discípulos (como eram de povos distintos e não se davam bem, eles negaram ajuda – prática costumeira entre aqueles povos); 2° Jesus coloca à prova aqueles que queriam segui-lo (isso porque muitos declaravam querer ir com Jesus, no entanto, não deixavam para trás seus pertences e familiares). Seguir a Jesus é uma mudança de vida.
O Evangelho do Dia (Lucas 9.51-62) trata severamente a situação de muitos ‘seguidores’ de Cristo. Pois são muitos os que dizem ter aceitado Jesus, muitos são os que dizem querer segui-lo, mas poucos de fato, são os que deixam tudo para trás para fazer o que Jesus espera.
Aplicando os exemplos para nossa vida, quais seriam nossas atitudes? Estenderíamos a mão a alguém necessitado mesmo que fosse um ‘inimigo’? O que tenho feito para Cristo? Na verdade, o que tenho deixado de fazer em minha vida (algo particular, de interesse unicamente próprio) para seguir a Cristo?
Seguir a Cristo é viver a liberdade que ele nos conquistou. Fomos libertos da escravidão do pecado, mas como seguidores de Cristo nossa liberdade é limitada a amar o próximo. Neste instante precisamos fazer sacrifícios para seguir a Cristo. Olhar para trás é um erro, pois Jesus diz: “ninguém que tendo posto mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus” (v.62).
Vivemos em certa zona de conforto, e gostamos dela. Na verdade, somos escravos do próprio bem-estar. Seguir a Cristo significa deixar de lado tal bem-estar e trabalhar em prol do próximo e da obra de Cristo.
Essa foi a liberdade que Cristo conquistou. Todos foram comprados pelo santo e precioso sangue de Cristo, e é nesse sentido que Paulo nos diz: “Permanecei, pois, firmes na liberdade para a qual Cristo nos libertou” (Gl 5.1).
Paulo admoesta para a vigilância e persistência, as quais são necessárias para seguirmos firmes a verdadeira liberdade, que o próprio Paulo explica: “Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade; porém não useis da liberdade para dar ocasião à carne; sede, antes, servos uns dos outros, pelo amor” (Gl 5.13).
Paulo explica como devemos usar a liberdade conquistada por Cristo. Primeiro ele apresenta os frutos da carne, os quais, precisamos evitar. Acontece que muitas vezes, ao invés de interpretar tudo da melhor maneira, preferimos alimentar intrigas, e por isso Paulo chama atenção: “Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede que não sejais mutuamente destruídos” (v.15).
Em seguida Paulo preocupa-se em separar o que vem do Espírito e o que são obras da carne, iniciando pelas obras da carne: “prostituição, impureza, inimizades, porfias (teimosia, discussão), ciúmes, iras, discórdias, dissensões (desacordo de ideias, opiniões, interesses), facções (disputas entre grupos políticos, por exemplo), invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas”. Paulo afirma que todos estes que assim procedem não herdarão o reino de Deus.
Por outro lado, Paulo destaca os frutos do Espírito: “amor, alegria, paz, longanimidade
(suportar com paciência a provação), benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei” (v.22,23).
Por causa de Cristo, o que faz parte da carne, com suas paixões e concupiscências (avidez, ganância, apetite sexual) devem ficar para trás, de modo que, se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito (v.24,25).
Todos devem lembrar o que Jesus disse àqueles que desejavam ser seguidores: “Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus” (Lc 9.62).
Na verdade, seguir a Jesus exige dedicação, esforço e sacrifício. É necessário sair da zona de conforto, do bem-estar que desfrutamos e colaborar para o crescimento do reino de Deus. Isto significa olhar para frente, cuidar com as distrações e carregar a liberdade conquistada por Cristo para servir uns aos outros. Afinal, se queremos uma lei, escutemos as palavras de Paulo: “Porque toda a lei se cumpre em um só preceito, a saber: Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Gl 5.14).
Sendo assim, se o Espírito Santo tocou seu coração e criou a fé salvadora, se você está disposto a contribuir para o crescimento do reino de Deus, e à prática da verdadeira liberdade, deixe a zona de conforto e o bem-estar para trás, arremangue as mangas e dedique-se para Cristo que está te dizendo neste instante: Segue-me. Amém.


Auxílios para anunciar a Boa-Nova: Perícopes da Carta aos Gálatas na pregação de Martinho Lutero.

Nenhum comentário: